Morte descendente da manga

  • Sintomas

  • Agente patogénico

  • Controle orgânico

  • Controle químico

  • Medidas preventivas

Morte descendente da manga

Botryosphaeria rhodina

Fungo


Resumo

  • Escurecimento e murcha da casca da árvore e galhos, progredindo para as pontas.
  • As folhas secam e tornam-se marrons, resultando em desfolhamento.
  • Secreção gomosa inicialmente em gotas, mais tarde, escorrendo pela árvore.

Espécies afetadas

Manga

Sintomas

A infecção de mangueiras com o fungo Botryosphaeria rhodina manifesta-se por galhos secos e pode levar ao completo desfolhamento. Nos estágios iniciais da doença, a casca perde a cor e escurece. Nos estágios seguintes, galhos novos começam a secar a partir da base, em direção às pontas, até as folhas serem afetadas. Conforme as nervuras se tornam marrons, as folhas se enrolam para cima e acabam caindo. Nos estágios finais da morte descendente, galhos e ramos secretam goma. Inicialmente, pequenas gotas de goma são visíveis, mas à medida que a doença avança, o ramo ou tronco todo podem ficar cobertos. Em casos severos, a casca da árvore ou ramos inteiros morrem e quebram.

Agente patogénico

O Botryosphaeria rhodina sobrevive em tecidos necrosados da planta por longos períodos de tempo. Invade o sistema vascular das mangueiras através de feridas no tronco e nos ramos. O mecanismo preciso de infecção não foi completamente compreendido. Possíveis portas de entrada são ferimentos causados por insetos (besouros) ou danos mecânicos ocorridos durante o trabalho no campo. A fonte primária de infecção podem ser esporos na casca morta dos galhos. Eles permanecem nas árvores ao longo da estação de crescimento e espalham-se durante a colheita. Deficiências de ferro, zinco e manganês podem favorecer a erupção da doença. Estresse hídrico ou por congelamento foram, ainda, relacionados com esta doença, que pode ocorrer em qualquer época do ano, mas é mais recorrente durantes as fases tardias do desenvolvimento.

Controle orgânico

Remova e destrua partes infectadas das árvores imediatamente. Corte também alguns ramos saudáveis ao redor, para garantir a completa erradicação do patógeno.

Controle químico

Após a poda, aplique oxicloreto de cobre à concentração de 0,3%, nos cortes. Aplique mistura bordalesa duas vezes ao ano, para reduzir a taxa de infecção nas árvores. Pulverizações contendo o fungicida tiofanato-metil mostraram-se eficazes contra B. rhodina. Controle besouros da casca e brocas, aplicando bifentrina ou permetrina nas árvores.

Medidas preventivas

Mantenha suas árvores saudáveis e irrigue-as regularmente.,Não plante em áreas propensas a estresse por congelamento ou deficiência nutricional.,Monitore o pomar regularmente, para identificar possíveis infecções em estágios iniciais.,Evite danos e lesões às árvores, pois são as principais portas de entrada para o fungo.,Remova material morto de árvores imediatamente do pomar.,Utilize um programa de fertilização balanceado.